Publicado em 23.04.2018 às 08:16

Mario Gusmão propõe pacto suprapartidário e comunitário

Um pacto suprapartidário e comunitário, independente de Poderes, de governos atuais ou seguintes, sem “grenalização” política e com o objetivo de construir soluções para a educação. Esta é a síntese da proposta de Decreto Legislativo, apresentada pelo fundador do Grupo Sinos, Mario Gusmão, na Câmara de Vereadores de São Leopoldo em sessão solene para homenagear o Dia do Jornalista. “Quero propor que São Leopoldo dê um exemplo ao Brasil ao colocar a educação em primeiro lugar. Precisamos priorizar nossas crianças e que, pelo menos em uma primeira etapa, se ofereça uma pré-escola e o ensino fundamental de alta qualidade e universalizado”, destacou Gusmão.


Com o mesmo afã da responsabilidade comunitária ao longo dos seus 60 anos, período dedicado a campanhas de interesse da comunidade, o Grupo Sinos se uniu ao Instituto São Leopoldo 2024 na tarefa de incentivar 52 municípios dos Coredes Rio dos Sinos, Rio Caí, Paranhana/Encosta da Serra e Região das Hortênsias, mais Cachoeirinha e Gravataí, para que possam melhorar as metas fixadas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. “Creio ter chegado a hora de uma mobilização geral pela educação”, disse Gusmão, enfatizando que a proposta de Decreto Legislativo pode ser adotada espontaneamente por todos os municípios envolvidos.


COMPROMETIMENTO - O credenciamento para um Brasil melhor deve estar ancorado na educação. Neste contexto, citou trechos do editorial O Brasil precisa criar a obsessão pela educação, publicado em 2006. U­m simples comparativo com o futebol foi suficiente para revelar o grau de importância dado à educação. Naquele ano, um senador da República disse que se nossa fantástica Seleção de futebol fosse derrotada pelo Haiti em uma Copa do Mundo, provavelmente, o técnico e até o presidente da CBF perderiam seus empregos. No entanto, o Brasil perdeu nos índices educacionais – enquanto a nação verde-amarela registrava taxa de repetência escolar de 21%, o Haiti estava na casa dos 16% – e nem por isso se teve notícia da queda de um prefeito, um governador ou o presidente da República.

E os índices brasileiros de reprovação seguem os mais altos do mundo. Entre os países latino-americanos, apenas a Colômbia tem taxa de repetência escolar (43%) superior a do Brasil. “Houve avanços na tarefa de levar as crianças à sala de aula. Mas, apesar do honroso esforço dos professores, o desafio maior é oferecer um ensino de alta qualidade”, disse Gusmão. Ao citar o americano James Heckmann, Prêmio Nobel de Economia, o fundador do Grupo Sinos reafirmou sua convicção de que não se começa uma construção pela parte superior e, sim, pela base.



Universalização: na pré-escola e ensino fundamental


Segundo Heckmann, os estímulos nos primeiros anos de vida são decisivos para o sucesso na vida adulta. É uma fase em que o cérebro se desenvolve em velocidade frenética e tem enorme poder de absorção, como uma esponja maleável. Ou seja, as primeiras impressões e experiências na vida preparam o terreno sobre o qual o conhecimento e as emoções vão se desenvolver mais tarde. Se esta base for frágil, as chances de sucesso cairão, mas se for sólida disparam na mesma proporção. Ainda conforme o americano, até os 5 e 6 anos a criança aprende em ritmo espantoso, no entanto, esta fase costuma ser negligenciada e o preço disso é altíssimo. Países que não investem na primeira infância apresentam índices de criminalidade mais elevados, maiores taxas de gravidez na adolescência e de evasão no ensino médio, assim como níveis menores de produtividade no mercado de trabalho.

Ao ressaltar que se faz necessário o comprometimento dos homens públicos, a participação ativa da sociedade e mais recursos dos governos municipal, estadual e federal, assim como da iniciativa privada, Gusmão conclamou a união, o se dar as mãos. “Pode até parecer uma ideia utópica. Porém muito do que acontece no mundo já foi classificado como utópico de alcançar. O ser humano tem condições de se superar, ainda mais quando se une.”




DECRETO LEGISLATIVO

    Art. 1º - É autorizado o presidente da Câmara de Vereadores de São Leopoldo e os líderes das bancadas com assento na Casa a representarem o Legislativo no Pacto Suprapartidário e Comunitário, denominado Movimento “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar”.

    Art. 2º - O Movimento irá desenvolver esforços no sentido de melhorar de uma forma marcante a qualidade e assegurar a universalização na Pré-Escola e no Ensino Fundamental das crianças e jovens de São Leopoldo.

    Art. 3º - O Movimento “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar”  trabalhará  para que mais recursos sejam alocados pelos governos do Município, Estado e União, com a finalidade de – juntamente com a comunidade de São Leopoldo representada por suas entidades – conseguir que a Educação seja, efetivamente, Prioridade no Município.

    Art. 4° - Apoiará este Movimento no âmbito municipal, a iniciativa lançada pelo Instituto São Leopoldo 2024 e Grupo Sinos, cujo propósito é incentivar a educação em 52 Municípios da região, visando superar as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), estabelecidas pelo Governo Federal.

    Art. 5º - A Câmara de Vereadores gestionará, junto ao Poder Executivo, a cessão de uma sala para sediar o Movimento.

    Art. 6º - O Movimento  “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar” que deverá ser coordenado por pessoa desvinculada de agremiação partidária, será instalado no mês de julho de 2018 e encerrará sua atividade no dia 25 de julho de 2024, data em que serão comemorados os duzentos anos da imigração alemã. Desta forma, o trabalho a ser desenvolvido visa, também, homenagear os primeiros moradores e os imigrantes que vieram para esta cidade.

    Art. 7º - Ao finalizar suas atividades, o Movimento efetuará balanço do trabalho desenvolvido ao longo dos seis anos, podendo, então, sugerir ações para o futuro na permanente busca da educação de qualidade.



Acesse:
www.educacaoem1lugar.com.br
www.isl2024.org.br
www.brasilalemanha.com.br

Publicado em 09.04.2018 às 10:11

A mudança na educação depende de todos nós

Tecnologia e educação são duas palavras que combinam e deveriam avançar no mesmo ritmo. No entanto, esta afinidade vem perdendo força ano a ano, situação confirmada pelo Ministério da Educação. A discrepância ainda é maior nas séries finais e retrata uma realidade longe da ideal: jovens deixando as escolas mal sabendo ler, interpretar ou escrever um texto coeso. A mudança deste cenário exige um esforço conjunto da sociedade, premissa defendida pelo Educação em 1o Lugar. O projeto, lançado e abraçado pelo Instituto São Leopoldo 2024 e Grupo Sinos, pretende provocar reflexões sobre a necessária e urgente prioridade na melhoria dos indicadores escolares.


“Sabemos que a educação é um ecossistema complexo. Mas daqui a seis anos, quando será comemorado o bicentenário da imigração alemã, queremos dizer com orgulho que os 52 municípios - pertencentes aos Coredes Rio dos Sinos, Rio Caí, Paranhana/Encosta da Serra e Região das Hortênsias, mais os municípios de Cachoeirinha e Gravataí – que originariamente abrigaram os primeiros imigrantes alemães –, se tornaram referência nacional e internacional em educação”, avisa o presidente do ISL 2024, Sérgio Gilberto Dienstmann.