Publicado em 21.05.2018 às 08:19

Campo Bom está de olho no futuro de seus alunos

Na contramão dos indicadores educacionais do País, Campo Bom, no Vale do Sinos, avança a passos largos na formação e qualificação dos estudantes. A cidade de mais de 60 mil habitantes conjuga o verbo educar no presente e futuro com a missão de forjar cidadãos e os profissionais do amanhã. “Acreditamos na transformação pela educação. É um olhar diferente sobre o aprender e de que modo ensinar”, afirma Simone Schneider, secretária municipal de Educação e Cultura.

Com uma visão de longo alcance e a meta de produzir resultados mais superavitários no ensino, o município aderiu ao projeto Educação em 1o Lugar. A iniciativa do Instituto São Leopoldo 2024 e Grupo Sinos é direcionada à melhoria das metas do Ideb em 52 municípios dos Coredes Rio dos Sinos, Rio Caí, Paranhana/Encosta da Serra e Região das Hortênsias, mais Cachoeirinha e Gravataí.

Com a proposta de aumentar ainda mais as notas do Ideb, o investimento em educação é alto em Campo Bom. “Também estamos em uma caminhada de estudos para a construção da base curricular, assim como professores de pré 1 até o 3o ano do ensino fundamental têm formação permanente no Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa”, destaca a secretária.

EMPREENDEDORA

E o município vai mais além, ao desenvolver projetos que preparam o aluno para o mercado profissional. Um deles é o De Olho no Futuro. “Com o foco da educação empreendedora, firmamos parcerias com a Feevale, Senai, Sebrae e outas instituições para promover junto ao educando uma visão ampla do mundo do trabalho, através de atividades práticas, oficinas, workshop e visitas técnicas, contemplando diferentes áreas no município.”

QUALIDADE REFORÇADA PELAS TRÊS REDES DE ENSINO

Para a secretária Simone, a educação não pode ter uma leitura solo. Ao contrário, a integração e o envolvimento das escolas municipais, estaduais e particulares, que somam 13.498 estudantes, são fundamentais. “Permanentemente, trabalhamos para ser um município com educação de qualidade nas três redes de ensino, da educação infantil ao ensino médio. Nossa missão é proporcionar ao aluno um desenvolvimento pleno para que ele seja capaz de contribuir para as mudanças sociais necessárias à construção de uma sociedade melhor.”

Neste sentido, o modelo pedagógico se fundamenta em princípios educativos na perspectiva de que o jovem conclua a educação básica, sendo autônomo, solidário e competente. Características que o levarão a ter uma visão do seu próprio futuro, transformando-o em realidade e sendo capaz de responder e atuar nos contextos, desafios, possibilidades e limites trazidos pelo novo século.

E como a Secretaria Municipal é de educação e cultura, busca-se também uma articulação maior, envolvendo as escolas diretamente com atividades culturais. Os alunos têm oportunidade de participar de grupos de danças gaúchas, atividades de hip hop, teatro, dança nas próprias escolas, entre outras atividades. Além disso, podem participar de aulas de violão, teclado, balé, entre outras atividades na Escola de Arte e Educação.

A EDUCAÇÃO EM NÚMEROS

Em 2015, os alunos dos anos iniciais da rede pública da cidade tiveram nota média de 6.7 no Ideb. Nota que colocou Campo Bom na posição 32 dos 497 municípios gaúchos. Para os alunos dos anos finais, essa nota foi de 5.8, posicionando a cidade no 4o lugar dos 497 municípios gaúchos. A taxa de escolarização (de 6 a 14 anos) foi de 98,9% em 2010, deixando o município na posição 137a das 497 cidades do RS e na posição 718a das 5.570 cidades do Brasil.

MAIS PROJETOS EM DESTAQUE:

Projeto Despertar - promove, através de atividades diversificadas, a alfabetização de alunos com dificuldades de aprendizagem, do 4o ao 7o ano, no contraturno escolar, permitindo que ele se aproprie da função social da escrita, alcançando um nível desejado de alfabetização.

Escola piloto organizada por salas temáticas - a sala de aula torna-se um ambiente mais funcional no desenvolvimento das aulas e mais atrativo ao aprendizado. A ideia é o aluno interagir com uma maior diversidade de recursos e materiais pedagógicos.

Escola piloto com educação integral - os alunos aprenderão os conteúdos e os exercitarão na própria escola, gerando competências e habilidades. Interação permanente entre o que se aprende e o que se pratica. Todos aprendem e se desenvolvem integralmente.

Educação Inclusiva - os alunos com necessidades educacionais especiais contam com auxiliares de ensino e acompanhamento no atendimento educacional especializado. Os professores do AEE recebem capacitações, acompanhamentos sistemáticos, cumprindo com a Declaração de Salamanca e as atuais medidas adotadas por meio de resoluções governamentais.

A Escola Estadual de Ensino Médio Fernando Ferrari, passou a ser tempo integral neste ano. A jornada de estudos diários é composta por 7 horas de aulas, nas quais, além das disciplinas já contempladas no ensino médio regular, há o acréscimo de quatro novos componentes curriculares: Projeto de Vida, Culturas Juvenis, Projeto de Pesquisas e Estudos Orientados. Os alunos permanecerão na escola por 9 horas distribuídas entre aulas, intervalos e refeições.

O ano de 2018 é muito especial para o Colégio Sinodal Tiradentes e sua mantenedora de origem, a Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Campo Bom, que juntas comemoram 190 anos. Esta história iniciou-se em 1828, com as primeiras famílias de imigrantes alemães que chegaram na região. Estas famílias, vindas da Europa, convictas de que a escola era imprescindível para seus filhos, logo trataram de organizar este espaço precioso. A escola se fortalece cada vez mais no século 21.

Acesse:

www.isl2024.org.br

www.brasilalemanha.com.br