Publicado em 21.05.2018 às 08:19

Campo Bom está de olho no futuro de seus alunos

Na contramão dos indicadores educacionais do País, Campo Bom, no Vale do Sinos, avança a passos largos na formação e qualificação dos estudantes. A cidade de mais de 60 mil habitantes conjuga o verbo educar no presente e futuro com a missão de forjar cidadãos e os profissionais do amanhã. “Acreditamos na transformação pela educação. É um olhar diferente sobre o aprender e de que modo ensinar”, afirma Simone Schneider, secretária municipal de Educação e Cultura.

Com uma visão de longo alcance e a meta de produzir resultados mais superavitários no ensino, o município aderiu ao projeto Educação em 1o Lugar. A iniciativa do Instituto São Leopoldo 2024 e Grupo Sinos é direcionada à melhoria das metas do Ideb em 52 municípios dos Coredes Rio dos Sinos, Rio Caí, Paranhana/Encosta da Serra e Região das Hortênsias, mais Cachoeirinha e Gravataí.

Com a proposta de aumentar ainda mais as notas do Ideb, o investimento em educação é alto em Campo Bom. “Também estamos em uma caminhada de estudos para a construção da base curricular, assim como professores de pré 1 até o 3o ano do ensino fundamental têm formação permanente no Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa”, destaca a secretária.

EMPREENDEDORA

E o município vai mais além, ao desenvolver projetos que preparam o aluno para o mercado profissional. Um deles é o De Olho no Futuro. “Com o foco da educação empreendedora, firmamos parcerias com a Feevale, Senai, Sebrae e outas instituições para promover junto ao educando uma visão ampla do mundo do trabalho, através de atividades práticas, oficinas, workshop e visitas técnicas, contemplando diferentes áreas no município.”

QUALIDADE REFORÇADA PELAS TRÊS REDES DE ENSINO

Para a secretária Simone, a educação não pode ter uma leitura solo. Ao contrário, a integração e o envolvimento das escolas municipais, estaduais e particulares, que somam 13.498 estudantes, são fundamentais. “Permanentemente, trabalhamos para ser um município com educação de qualidade nas três redes de ensino, da educação infantil ao ensino médio. Nossa missão é proporcionar ao aluno um desenvolvimento pleno para que ele seja capaz de contribuir para as mudanças sociais necessárias à construção de uma sociedade melhor.”

Neste sentido, o modelo pedagógico se fundamenta em princípios educativos na perspectiva de que o jovem conclua a educação básica, sendo autônomo, solidário e competente. Características que o levarão a ter uma visão do seu próprio futuro, transformando-o em realidade e sendo capaz de responder e atuar nos contextos, desafios, possibilidades e limites trazidos pelo novo século.

E como a Secretaria Municipal é de educação e cultura, busca-se também uma articulação maior, envolvendo as escolas diretamente com atividades culturais. Os alunos têm oportunidade de participar de grupos de danças gaúchas, atividades de hip hop, teatro, dança nas próprias escolas, entre outras atividades. Além disso, podem participar de aulas de violão, teclado, balé, entre outras atividades na Escola de Arte e Educação.

A EDUCAÇÃO EM NÚMEROS

Em 2015, os alunos dos anos iniciais da rede pública da cidade tiveram nota média de 6.7 no Ideb. Nota que colocou Campo Bom na posição 32 dos 497 municípios gaúchos. Para os alunos dos anos finais, essa nota foi de 5.8, posicionando a cidade no 4o lugar dos 497 municípios gaúchos. A taxa de escolarização (de 6 a 14 anos) foi de 98,9% em 2010, deixando o município na posição 137a das 497 cidades do RS e na posição 718a das 5.570 cidades do Brasil.

MAIS PROJETOS EM DESTAQUE:

Projeto Despertar - promove, através de atividades diversificadas, a alfabetização de alunos com dificuldades de aprendizagem, do 4o ao 7o ano, no contraturno escolar, permitindo que ele se aproprie da função social da escrita, alcançando um nível desejado de alfabetização.

Escola piloto organizada por salas temáticas - a sala de aula torna-se um ambiente mais funcional no desenvolvimento das aulas e mais atrativo ao aprendizado. A ideia é o aluno interagir com uma maior diversidade de recursos e materiais pedagógicos.

Escola piloto com educação integral - os alunos aprenderão os conteúdos e os exercitarão na própria escola, gerando competências e habilidades. Interação permanente entre o que se aprende e o que se pratica. Todos aprendem e se desenvolvem integralmente.

Educação Inclusiva - os alunos com necessidades educacionais especiais contam com auxiliares de ensino e acompanhamento no atendimento educacional especializado. Os professores do AEE recebem capacitações, acompanhamentos sistemáticos, cumprindo com a Declaração de Salamanca e as atuais medidas adotadas por meio de resoluções governamentais.

A Escola Estadual de Ensino Médio Fernando Ferrari, passou a ser tempo integral neste ano. A jornada de estudos diários é composta por 7 horas de aulas, nas quais, além das disciplinas já contempladas no ensino médio regular, há o acréscimo de quatro novos componentes curriculares: Projeto de Vida, Culturas Juvenis, Projeto de Pesquisas e Estudos Orientados. Os alunos permanecerão na escola por 9 horas distribuídas entre aulas, intervalos e refeições.

O ano de 2018 é muito especial para o Colégio Sinodal Tiradentes e sua mantenedora de origem, a Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Campo Bom, que juntas comemoram 190 anos. Esta história iniciou-se em 1828, com as primeiras famílias de imigrantes alemães que chegaram na região. Estas famílias, vindas da Europa, convictas de que a escola era imprescindível para seus filhos, logo trataram de organizar este espaço precioso. A escola se fortalece cada vez mais no século 21.

Acesse:

www.isl2024.org.br

www.brasilalemanha.com.br

Publicado em 23.04.2018 às 08:16

Mario Gusmão propõe pacto suprapartidário e comunitário

Um pacto suprapartidário e comunitário, independente de Poderes, de governos atuais ou seguintes, sem “grenalização” política e com o objetivo de construir soluções para a educação. Esta é a síntese da proposta de Decreto Legislativo, apresentada pelo fundador do Grupo Sinos, Mario Gusmão, na Câmara de Vereadores de São Leopoldo em sessão solene para homenagear o Dia do Jornalista. “Quero propor que São Leopoldo dê um exemplo ao Brasil ao colocar a educação em primeiro lugar. Precisamos priorizar nossas crianças e que, pelo menos em uma primeira etapa, se ofereça uma pré-escola e o ensino fundamental de alta qualidade e universalizado”, destacou Gusmão.


Com o mesmo afã da responsabilidade comunitária ao longo dos seus 60 anos, período dedicado a campanhas de interesse da comunidade, o Grupo Sinos se uniu ao Instituto São Leopoldo 2024 na tarefa de incentivar 52 municípios dos Coredes Rio dos Sinos, Rio Caí, Paranhana/Encosta da Serra e Região das Hortênsias, mais Cachoeirinha e Gravataí, para que possam melhorar as metas fixadas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. “Creio ter chegado a hora de uma mobilização geral pela educação”, disse Gusmão, enfatizando que a proposta de Decreto Legislativo pode ser adotada espontaneamente por todos os municípios envolvidos.


COMPROMETIMENTO - O credenciamento para um Brasil melhor deve estar ancorado na educação. Neste contexto, citou trechos do editorial O Brasil precisa criar a obsessão pela educação, publicado em 2006. U­m simples comparativo com o futebol foi suficiente para revelar o grau de importância dado à educação. Naquele ano, um senador da República disse que se nossa fantástica Seleção de futebol fosse derrotada pelo Haiti em uma Copa do Mundo, provavelmente, o técnico e até o presidente da CBF perderiam seus empregos. No entanto, o Brasil perdeu nos índices educacionais – enquanto a nação verde-amarela registrava taxa de repetência escolar de 21%, o Haiti estava na casa dos 16% – e nem por isso se teve notícia da queda de um prefeito, um governador ou o presidente da República.

E os índices brasileiros de reprovação seguem os mais altos do mundo. Entre os países latino-americanos, apenas a Colômbia tem taxa de repetência escolar (43%) superior a do Brasil. “Houve avanços na tarefa de levar as crianças à sala de aula. Mas, apesar do honroso esforço dos professores, o desafio maior é oferecer um ensino de alta qualidade”, disse Gusmão. Ao citar o americano James Heckmann, Prêmio Nobel de Economia, o fundador do Grupo Sinos reafirmou sua convicção de que não se começa uma construção pela parte superior e, sim, pela base.



Universalização: na pré-escola e ensino fundamental


Segundo Heckmann, os estímulos nos primeiros anos de vida são decisivos para o sucesso na vida adulta. É uma fase em que o cérebro se desenvolve em velocidade frenética e tem enorme poder de absorção, como uma esponja maleável. Ou seja, as primeiras impressões e experiências na vida preparam o terreno sobre o qual o conhecimento e as emoções vão se desenvolver mais tarde. Se esta base for frágil, as chances de sucesso cairão, mas se for sólida disparam na mesma proporção. Ainda conforme o americano, até os 5 e 6 anos a criança aprende em ritmo espantoso, no entanto, esta fase costuma ser negligenciada e o preço disso é altíssimo. Países que não investem na primeira infância apresentam índices de criminalidade mais elevados, maiores taxas de gravidez na adolescência e de evasão no ensino médio, assim como níveis menores de produtividade no mercado de trabalho.

Ao ressaltar que se faz necessário o comprometimento dos homens públicos, a participação ativa da sociedade e mais recursos dos governos municipal, estadual e federal, assim como da iniciativa privada, Gusmão conclamou a união, o se dar as mãos. “Pode até parecer uma ideia utópica. Porém muito do que acontece no mundo já foi classificado como utópico de alcançar. O ser humano tem condições de se superar, ainda mais quando se une.”




DECRETO LEGISLATIVO

    Art. 1º - É autorizado o presidente da Câmara de Vereadores de São Leopoldo e os líderes das bancadas com assento na Casa a representarem o Legislativo no Pacto Suprapartidário e Comunitário, denominado Movimento “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar”.

    Art. 2º - O Movimento irá desenvolver esforços no sentido de melhorar de uma forma marcante a qualidade e assegurar a universalização na Pré-Escola e no Ensino Fundamental das crianças e jovens de São Leopoldo.

    Art. 3º - O Movimento “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar”  trabalhará  para que mais recursos sejam alocados pelos governos do Município, Estado e União, com a finalidade de – juntamente com a comunidade de São Leopoldo representada por suas entidades – conseguir que a Educação seja, efetivamente, Prioridade no Município.

    Art. 4° - Apoiará este Movimento no âmbito municipal, a iniciativa lançada pelo Instituto São Leopoldo 2024 e Grupo Sinos, cujo propósito é incentivar a educação em 52 Municípios da região, visando superar as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), estabelecidas pelo Governo Federal.

    Art. 5º - A Câmara de Vereadores gestionará, junto ao Poder Executivo, a cessão de uma sala para sediar o Movimento.

    Art. 6º - O Movimento  “São Leopoldo, Educação em 1º Lugar” que deverá ser coordenado por pessoa desvinculada de agremiação partidária, será instalado no mês de julho de 2018 e encerrará sua atividade no dia 25 de julho de 2024, data em que serão comemorados os duzentos anos da imigração alemã. Desta forma, o trabalho a ser desenvolvido visa, também, homenagear os primeiros moradores e os imigrantes que vieram para esta cidade.

    Art. 7º - Ao finalizar suas atividades, o Movimento efetuará balanço do trabalho desenvolvido ao longo dos seis anos, podendo, então, sugerir ações para o futuro na permanente busca da educação de qualidade.



Acesse:
www.educacaoem1lugar.com.br
www.isl2024.org.br
www.brasilalemanha.com.br